segunda-feira, novembro 06, 2006

Em Angola não tem ralo!

Quem disse que não há água em Luanda? Esse final de semana tive uma piscina particular em casa.

Imaginem a cena: Estava eu, sábado a tarde, por volta das 18:00 h, com o reabastecimento estabelecido por volta das 17:00 h, no computador, após a tarde inteira de falta de água. Sérgio ou eu, vai encontrar o culpado nessas horas, deixamos uma torneira aberta. No auge da minha empolgação, estava jogando Batlefield 1942, o meu pé fica um pouco molhado. O nosso ar-condicionado da sala está com alguns problemas e acreditei que este estava a produzir água. Sem nem olhar para o aparelho, peguei o controle, que estava ao meu lado, e o desliguei. Voltei ao jogo claro, afinal estava em uma batalha que ocorria no oceano, em uma ilha, bem sugestivo eh? Bom, com mais cinco minutos, o meu pé estava mais molhado ainda. Decidi me levantar para investigar.

A muito contra gosto parei o jogo e me virei. A cena que presenciei, sinceramente me assustou, mas não mais do que a que eu estava para ver. A sala inteira estava sob um centímetro de água. Estranhei e comecei a andar. Nesse momento escutei uma torneira, parecia vir do banheiro. Tentei abrir a porta do banheiro, mas ela simplesmente não abriu. Vale colocar aqui que a nossa porta não esta muito legal, ao fechar, ela arrasta um pouco no chão. Forcei um pouco mais a entrada, nada. Forcei ainda mais, foi então que a porta cedeu.

Abrindo a porta, o resultado parecia o de um filme. No banheiro havia, sem exagero, 30 cm de água. O balde do banheiro boiava igual a um barquinho. Os peixes, nesse mar, eram duas meias e uma cueca que lá se encontravam a relaxar. A água saiu como uma onda com a abertura da porta. A casa inteira terminou de inundar, desde a cozinha, os dois quartos, a sala toda, varanda, simplesmente tudo.

Agora vem a melhor parte, não tem ralo na casa. Isso mesmo não tem ralo. As únicas formas de escoar a água são ou pelas pias ou pela banheira. Nessa altura a água que já estava saindo pela porta da sala, começou realmente a escoar pelo corredor. Liguei para o meu Kamba Sérgio e contei a ele o ocorrido. Enquanto eu esperava pelo Sérgio, procurava desesperado por um ralo.

Chegaram Sérgio, Carol, Cris e outra menina que conheci no dilúvio. As meninas foram fantásticas, disseram que isso já havia ocorrido com outras pessoas e que é até relativamente normal. Como solução, colocar a água corredor a baixo.

Começamos a limpeza e enquanto colocávamos a água para fora, os vizinhos, foram abrindo as portas, pois entrava água em seus apartamentos. Após 50 mim, conseguimos limpar toda a casa, mas pense em um trabalho que deu. Graças as meninas, pois por mim estava molhado até agora, passamos pano na casa e esta ficou incrivelmente limpa. Por esse lado foi bem legal.

Resultado do desastre de mais de 1 hora de torneira aberta: A casa limpinha, as escadas limpinhas, a casa dos vizinhos limpinhas, o elevador limpinho e poças d’água por todo lado. Belo programa de sábado a noite eh? Ficamos famosos no condomínio, todos agora nos conhecem.

A partir de hoje fica instituída a festa, primeiro sábado de novembro, a Lavagem das Escadarias do Talatona. Posted by Picasa

2 comentários:

Handerson disse...

Tio, cada vez que visito seu blog fico mais fã seu cara, essa da água você vai contar até pros seus netos (se você não contar eu conto!!! kkkkkkkk), cuidado pra nao acordar boiando qualquer dia desses. Os elementos que você utiliza pra ilustrar a estória é que são demais, "os peixes desse mar eram duas meias e uma cueca". kkkkkkk muito bom...
Grande Abraço

Lyud disse...

O máximo o blog de hj!
ADOREI!
Bjo
saudades muitas!