terça-feira, junho 12, 2007

Rally Acampamento

O caminho não foi nada mal, mas o melhor ainda estava por vir. Primeiro paramos no local mais distante da ilha, o mais próximo possível do continente. O que dizer? Lindo, na verdade quase, uma quantidade de lixo absurda no local inviabilizou o acampamento. Decidimos voltar um pouco e procurar um outro ponto da praia.

Eu e Sérgio na chegada ao Acampamento

Andamos uns 200 metros de volta e encontramos uma área protegida com águas calmas. Do lado direito o continente, do lado esquerdo a ilha, à frente o oceano em todo seu esplendor. Palavras de exaltação ao cenário não me faltam, na verdade, me faltam, como esse país é bonito, como as belezas naturais são suntuosas e exuberantes. Estamos perto da perfeição, não fosse a quantidade de lixo eu diria que o paraíso é aqui.

Os carros são alinhados e descemos todos, Fernando lidera o grupo e dá as primeiras instruções: “Vamos lá pessoal, limpar a praia! Henrique e Spíndola, cuidem da cozinha”. Vamos nessa, era isso mesmo que eu estava esperando. Todos estão muito dispostos, ainda é início de tarde e temos muito tempo pela frente com o sol que não mais nos castiga e sim nos agracia com sua presença. Muitos sacos de lixo na mão e o local fica decente, agora sim. Enquanto isso eu e Henrique descarregamos duas churrasqueiras, quatro caixas térmicas, duas mesas, e um monte de tranqueira. O local está escolhido onde ficará a churrasqueira. Logo atrás dela é montada a iluminação para a noite e o gerador é colocado a uns 30 metros de distância.
Descendo acampamento

Samia se junta ao grupo da cozinha, começa a preparar as verduras e arrumar os apetrechos. Enquanto isso vou cortando e temperando o frango e a carne. Henrique está ocupado acendendo o fogo. Com mais meia hora já temos algumas carnes assando e a turma faminta já está reclamando; “Essa carne não sai não?”. Todos reunidos na cozinha, sempre o lugar mais prestigiado de uma festa, bom, pelo menos até ficarem de barriga cheia. O fogo está a toda e os primeiro petiços ficam prontos. Muita cerveja e vinho e uma picanha que parece ter sido escolhida a dedo.

Já tem algumas pessoas tomando banho no mar, que por sinal estava gelado, bem mais frio em Recife onde as águas são quentes. Outra turma vai atrás de lenha para a fogueira que servirá para aquecer a festa da noite. Não sei como conseguiram, mas vieram transportando um tronco de coqueiro que foi a salvação. Muito graveto, algumas coisas que eu nem sei o que eram e estava tudo pronto, agora é só curtir.
Por do Sol

Fui para o mar, estava realmente muito bom. A vida é feita desses momentos, me sinto feliz e sinto falta das pessoas que amo. Penso neles a todo o momento, nessa viagem então...

A tarde desce mansinha com uma cor caramelo parece querer deixar tatuada na memória toda sua beleza, isso é África. Sinto-me livre, o dono do mundo, tenho certeza que hoje posso até pegar o sol. Duvida?
A natureza na minha mão

Com o crepúsculo aquela preguiça começa a bater e quanto o sol vai embora, no início da noite, acontece algo que não esperei. Todos se preparam para tomar banho, isso mesmo banho. Trouxeram vários tonéis com água doce para tirar o sal do dia e deixar todo mundo xeirosinho para o luau. Vou para trás de um carro e levo o meu sabonete e o xampu e me delicio com um legitimo banho de cuia. Putz, a toalha, estou molhando parecendo um cachorro no fim de semana quando é hora do banho. Esqueci a toalha, não acredito. Sozinho atrás do carro, no escuro, toma a decisão, vou secar ao vento. Ahh a liberdade, essa minha idéia não podia ser melhor. Só que a prática é bem diferente da teoria, rapaz que frio. Quando tirei tudo e fiquei com a bunda do lado de fora, branca feito leite, e o vento bateu, uhhh. Pulava na esperança de secar logo, cheguei quase a sobrar para ver se ia mais rápido. Totalmente seco eu não estava, mas não agüentava mais ficar naquela cena de lagoa azul. Cueca, bermuda, camisa, colocando antes um bom desodorante. Por fim um perfume e eu estava pronto para a farra. A sensação é maravilhosa, eu realmente adoro tomar banho.

No meio do acampamento a turma se anima para mais uma rodada de churrasco. Fico ao largo, perto da fogueira que ajudo a acender, na verdade minha ajuda foi mais o tal do apoio moral. O fogo subiu rádio e o que estava bom ficou ainda melhor. Preparamos alguns milhos e batata doce para serem colocadas no fogo. Voltei para a churrasqueira para pilotá-la.

Acho que foi o vinho, mas comecei a queimar alguns pãezinhos que estavam sendo colocados no fogo, eu simplesmente esquecia deles. O som ligado a toda tocava músicas brasileiras, Jota Quest, Ivete, até Xuxa apareceu já no fim da festa. Nada mal eh?

Eu bebi pouco, apenas algumas garrafas de vinho. Isso é pouco? KKKK. Contudo houveram pessoas que chutaram o pau da barraca, sem nomes pediram. Foi uma onda. O soba, que comentei no post anterior, foi uma dessas pessoas. Ele ficou louco, começou a cantar todas as meninas do acampamento, queria porque queria uma mulher para ele. Virou para Fernando e falou: “Cadê a minha? Como fico sem?”. As meninas correram de medo. No fim da festa, naquela hora da Xuxa, o soba já havia tomado todas e eu consegui fazer um vídeo dele dançando Ilarié. Impagável....
Luau

Por volta de uma da manha a bebida simplesmente acabou e com ela a festa. Nunca vi uma festa encerrar tão rápido, parecia até combinado. Ouvem que capotasse na areia, havia também a turma das barracas, eu fui para um dos carros e dormi sozinho. Sozinho é o modo de dizer, havia uma comunidade de mosquitos ali dentro, tenho certeza que estava acontecendo alguma convenção de muriçocas dentro do carro, não é possível. Muito repelente, mas com tanto vinho da cabeça eu pedi liça aos mosquitos, baixei o banco e dormi que parecia estar em Recife, na minha cama.

Tenho certeza que vou sonhar, estou dormindo feliz.

2 comentários:

Anônimo disse...

Puxa Spindola... realmente emocionante esse acampamento!! Gostaria muito de ter estado com vc neste lugar. gosto muito disso, principalmente do contato com a natureza. Pra mim é algo energizante, purificador. A foto do por do sol está linda, linda, linda... realmente concordo contigo... os bons momento são feitos disso, das coisas mais simples e que estão ao alcance de todos. E, pelo o q entendi, não foi só o Soba que ficou sem companheira, hihihihihi...
A sua frase de conclusão me tocou profundamente... "Tenho certeza que vou sonhar, estou dormindo feliz."
Fica com Deus e divirta-se...
Dani

Mila disse...

Depois da tempestade, a bonança...
Tudo bem que não foi necessariamente nessa ordem...
Com certeza é bem melhor narrar histórias como estas, não é verdade?!
Bom saber que, apesar das dificuldades encontradas por aí, você também tem momentos de extrema felicidade, paz, sossego e diversão!!!
Beijo enorme!