segunda-feira, junho 11, 2007

4 dias sem luz e sem água

Tive que fazer uma pausa nas histórias do acampamento, essa não dá para passar sem colocar no blog. Senta que lá vem história...

Ao virar na esquina de casa uma cena me salta aos olhos. Quinhentos metros a minha frente o condomínio totalmente apagado, uma única luz não havia. Interessante que os postes de iluminação estavam todos acessos. É hoje.

Logo na manhã da sexta, horas antes da imagem à cima, já acordei com a novidade, estamos sem água e energia. Oh maravilha, hora de me preparar para um daqueles banhos de gato com apenas uma garrafa de água de mineral de 1,5 litros. Espero que dessa vez eu e Sérgio não tenhamos esquecido de comprar as garrafas, coisa que fazemos com muita freqüência. Lá estavam elas, as duas últimas. Sérgio desistiu de tomar banho, já eu, criei coragem, peguei as duas garras eu me caminhei cabisbaixo para o banheiro.

Tem todo um processo para se conseguir tomar banho com 1,5 l de água. Começo molhando o cabelo, mas só um pouquinho, ainda bem que o apartamento estava um forno, a água está até quentinha. :) Xampu 2 em 1, lógico, passar duas vezes está fora de questão. Agora é passar no cabelo bem rápido, pois tem que aproveitar o corpo um pouco molhando para passar o sabonete. Oh saudade do dia que a casa inundou e o banheiro ficou cheio de água, se fosse hoje eu ria tomar banho na frente da pia, feliz que só pinto no lixo. Volta, volta, não viaja não que água acaba. Já todo ensaboado o esquema agora é colocar água na cabeça e agitar os dedos rapidamente, pois tem que aproveitar a água descendo para tirar o sabonete do corpo. Lavar todas as partes está fora de questão, só as principais, como embaixo dos braços e nos lugares em que se lavar não foi banho. É, não está ótimo, mas dá para passar. Será que realmente preciso de uma toalha? Hora da barba. A outra garrafa é para isso, barba e dentes. Esse foi mais fácil.

Eu juro, vou matar o sindico, oh administração, sei não. Fiquei sabendo que ficaram 18 meses sem pagar a conta de luz do condomínio. A uns 10 dias a companhia de energia foi lá e cortou definitivamente, ou melhor até normalizar o pagamento. O gerador nesses dias estava trabalhando sem parar e na madrugada da quinta para sexta ele deu seu último suspiro. Tive vontade de ir eu mesmo dar uma olhada no danado, sei que não entendo nada de gerador, mas pelo menos eu podia xingar de perto e quem sabe dar um chute para ver se pegava no tranco feito àquelas televisões velhas.

Por enquanto estou só falando da sexta-feira, fui dormi sem banho, quer dizer, só com o banho de gato que tomei pela manha. A expectativa era que no sábado, até o meio dia, o reparo no gerado fosse realizado.

Sábado pela manhã, abri só um olho, deixei a luz acesa para saber se a energia havia voltado. Votasse? A lâmpada estava lá do mesmo jeito que eu deixei na noite anterior, ou seja, apagada. Só me dei ao trabalho de fechar o mesmo olho e voltei a dormir na vontade de quando acordasse novamente tudo estivesse normal. O desejo foi tão grande que sonhei com luz, muita luz e muita água. Acordei no susto, corri para o banheiro, sonhar com água dá uma vontade de fazer xixi. Droga tudo apagado, e a essa altura o banheiro já estava sujo, ainda não estava em nojo, mas isso é só uma questão de tempo, ainda tempos o fim de semana todo pela frente.

Sérgio nem em casa estava, ai que saudade do Brasil onde isso não acontecia. Eu sei que é cair na mesmice, contudo só damos valor às coisas quando perdemos. Mesmo correndo o risco dos mosquitos com malária abri as janelas de casa, estava um abafado incrível. Almoço vamos lá. Sem água vamos gastar todos os pratos, a pia já começou a dar os primeiro sinais que iria ficar cheia. Perto da geladeira me sinto úmido. Olhar para o chão foi o tempo de ter um Deja vu, acho que foi do meu sonho. O chão cheio de água. A geladeira a mais de um dia desligada fazia a maior água. Como pode um objeto tão pequeno vazar tanta água, é mal comparando um lago essa minha cozinha. Fiquei feliz pela primeira vez de esquecemos de comprar comida, nem tinha muita coisa para estragar. Peguei um último suco pela metade que havia na geladeira e preparei um sanduba, o que mais daria para fazer?

À tarde Sergio chega feliz da vida dizendo que estão todos indo para os prédios de uns amigos tomar banho. Antes que ele pudesse perguntar se eu iria eu já estava na porta pronto, sacolinha na mão e tudo. O cabelo, depois da noite sem banho, estava duro, e eu mais parecia um punk todo arrepiado. Não teve escova ou pente que baixasse o maledito, não verdade só piorou. Minha cabeça parecia ter um balde em cima, a barba também estava mal feita, eu era a própria visão do inferno. Ao chegar na casa de Fred, meu amigo dono do banheiro, oh inveja que estou sentindo dele, tomei um dos banhos mais maravilhosos de toda a minha vida. Fiz a barba e escovei os dentes, eu parecia até gente agora. Isso é que é felicidade.

Sábado à noite estava marcada a festa de aniversário de Clarissa na quadra do prédio. Sem energia tiveram que arranjar um gerador pequeno que infelizmente não pode ser usado para ligar a bomba d’água. Passei o resto do tarde bem quietinho para não suar, afinal banho era uma lenda. A festa foi massa e eu tomei algumas, queria chegar anestesiado em casa e ir direto para a cama. Como já havia dormido muito da sexta para o sábado meu medo era de ficar acordado feito um doido, me batendo dentro de casa.

Domingo pela manha. Precisamos de vela urgentemente, pra ontem, melhor pra sexta. O que vou fazer no dia de hoje, o cabelo está de volta à posição original, ou seja, rock and roll. Passei o dia na cama, sem banho e tentando beber pouca água. O meu maior medo é ir no banheiro, tenho certeza que de dentro daquela sujeira que já se acumula a dois dias vai sair um bicho. Para dormir eu tranco a porta do quarto, não tem que me tire da cabeça que vai sair alguma coisa do vaso sanitário.

Ah, domingo, nada de banho, fiquei em casa, ninguém merece olhar para mim hoje. O cheiro ainda não estava insuportável, mas isso é só uma questão de tempo. À noite, já com as velas compradas, fiquei lendo, na verdade passei o dia todo lendo. Foi lindo, no mínimo romântico, três velinhas e eu lá, parecia mentira, mas não era. Fui dormir pedido para sonhar com água e energia novamente.

Segunda-feira, dia de trabalho, fui à casa de Fred novamente. Entrei correndo e quase não dei bom dia. Tem noção do que é a pessoa dois dias sem tomar banho? Banho tomado, estou novo. Vamos para o trabalho, agora é esperar pela noite e ver ser vai ser mais uma noite romântica a luz de velas.

3 comentários:

Mila disse...

Spin,
ao ler esse post, dentre tantos pensamentos, um se destacou: queria que tudo isso não passasse de um sonho pra vc (ou melhor pesadelo). Porque pense numa tarefinha difícil para vc ter que ficar sem banho...
Beijo grande e fique bem, mesmo com esse contratempo.

Valeria disse...

Spli,

Vou te contar, na pior das hipóteses, chega a ser romântico viu? kkkkkkkkkkkkkkkk
Luz de vela... quase dia 12/06... O problema é que vc tá sozinho e o pior sem banho!!!
Ô meu amigo, passando por cada uma né?
Se cuida tá?
Bjo.

Anônimo disse...

Como as coisas mudam meu Deus!Há 40 anos vier-se em Luanda era um sonho. As praias e a cidade completamente limpas, as esplanads, os cafés os restaurantes , os cinemas, alguns ao ar livre. Tudo funcionava na maior. Dava gosto viver em Luanda.Hoje, quase meio século depois, o retrocedimento foi total para tristeza de muitos angolanos que aí viveram.