quarta-feira, junho 20, 2007

Fumante passivo – Em Angola sou sim

O dia quente e o engarrafamento está matando. A poeira na rua é imensa e agradeço por não ventar muito em Luanda. Mesmo assim o terno e o sapato insistem em estar sempre sujos. Descer do carro é sempre um malabarismo, pois as portas estão sempre sujas e ao tocar, a terra adere como a um adesivo. Já estou conformado com a demorar que vai ser para o prato ser servido, tudo o que quero agora é uma coca bem gelada. À tarde mais reuniões, uma pressão danada no trabalho.

Hoje é quinta-feira, dia de bacalhau com natas no Venesa. Escolhemos uma mesa e sentamos. Sempre vem àquelas entradas com uns pães para enrolar, mas com a fome que estou hoje quase posso sentir o cheiro do bacalhau. Quase não, estou sentindo, ao meu lado acaba de chegar um prato no capricho, o aroma é irresistível. Tem umas batatas coradas por cima e a porção bem servida dá perfeitamente para três pessoas. Nesse dia somos somente eu e um amigo, vai sobrar para levar para o motorista.

Trinta minutos depois do pedido, já está na hora do prato chegar. O restaurante está lotado e do nosso lado um novo pedido de bacalhau acabou ser feito por três executivos que sentaram nesse instante. Dessa vez é o pedido deles que vai demorar. De repente, não mais que de repente, visualizo o nosso almoço. O prato vem esfumaçando da cozinha e minha boca se enche d’água. Meu amigo fala qualquer coisa que eu respondo com um simples “ahaa”. Na minha cabeça a idéia era deixar para depois essa conversa. Daqui a dois minutos você fala ok? O prato chega à mesa e o almoço já está começando. Comer com prazer começa pelo visual, estava do jeito que eu imaginei.

Sirvo o meu prato, é hora do olfato. Pego uma garfada generosa de bacalhau com batata e trago para perto da boca. Com os olhos fechado vou deixar o ar entrar pelo meu nariz, estou curtindo o almoço e não simplesmente enchendo o buxo. O cheiro entra..... Eca quase devolvo o bacalhao, que cheiro horrível de cinzeiro. Ao meu lado o cara de terno está dando umas boas baforadas com uma cigarrilha incrivelmente mal cheirosa. Como pode um negocio daquele ter um cheiro tão forte. Não consigo sentir o cheiro da comida, só o cheiro do tabaco que a essa altura já impregnou o ambiente.

Vou almoçar, mas não vai ser a mesma coisa. Realmente acho uma falta de educação tremenda acender um cigarro em um ambiente publico. Sei que o vicio é forte, mas um fumante não faz idéia do quanto incomoda a um não fumante. Fora isso tem a questão da saúde, estamos agora fumando ele, eu e mais um monte de gente que dentro do restaurante está sendo forçada a inalar aquele treco.

É realmente bem desagradável um fumante ao seu lado.

XXXXX

Em Angola não existe uma lei que proíba isso e as pessoas daqui pouco se importam com os demais quando o assunto é cigarro ou mesmo charuto. Algumas pessoas podem argumentar que o charuto incomoda muito mais, é verdade, mas para quem não fuma é ruim do mesmo jeito.

Hoje fui surpreendido com uma reportagem no jornal local. Nas entrelinhas da matéria dá para ler claramente “Os incomodados que se retirem”. O jeito vai ser me acostumar.

Como diria o ditado: o que não tem solução, solucionado está.
Proibição de fumar em lugares públicos só depois da aprovação do Conselho de Ministro A Capital
http://www.angonoticias.com/full_headlines.php?id=15096%3Cb

Apesar de Angola ratificar, este ano, a Convenção Quadro da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de a Assembleia Nacional ter já aprovado e aceitado a Convenção de Luta Contra o Tabaco em Lugares públicos, a verdade é que os angolanos não fumadores vão ter de continuar, involuntariamente, a inalar o fumo do cigarro e sofrer as mesmas consequências dos fumadores activos.

Segundo uma reportagem do Jornal «A Capital», o convívio entre fumadores e não fumadores é ameno e, inclusive muitos dizem que é sadio.

Questionado sobre o efeito perturbador do fumo, António Paulo, não fumador ou seja fumador passivo, que se encontrava num dos hotéis da capital, disse que normalmente reclama, mas como não existe nenhuma legislação que proíbe as pessoas de fumar em lugares públicos, o que faz mesmo “é abandonar o ambiente”.

A directora do departamento de informação e mobilização da saúde, Filomena Wilson, disse que apesar de o Governo ter já ratificado a Convenção Quadro da Organização Mundial da Saúde (OMS) relativo à luta contra o tabaco em lugares públicos, este mês de Junho, faltando apenas a entrada do dossier no Conselho de Ministros.

Entretanto, existem já em Luanda lugares com dizeres: “é proibido fumar”; “Cada cigarro fumado é tábua para o caixão”; Fumar faz mal à saúde”, entre outros dizeres.

Ana Jandira, esposa de um fumador, ouvida pelo o «A Capital», qualificou de orgulhosos todos os fumadores. “É que eles, mesmo sabendo das consequências põem em risco o ser mais importante da vida deles: o filho”. O meu marido nunca se importou de fumar ao lado do nosso filho bebé”, frisou.

Para o responsável de uma casa de jogos de Luanda, a aprovação de uma lei como a que nos referimos pode ter grandes implicações económicas, como acontecer no Zimbabwe e Moçambique. São grandes produtos e exportadores africanos de tabaco, por isso não aderem a Convenção da OMS.

“Os clientes são livres de escolher o lugar para estar. Caso for aprovada a referida lei, o mercado ditará se os empresários optarão por um estabelecimento sem restrições ou condições a aceder o cigarro, como existem noutras partes do Mundo”.

Entretanto, em Angola ainda não existe dados certos sobre o número fumantes e as suas vítimas, mas a situação é cada vez mais preocupante, segundo as autoridades, porque a olhar nu , os vendedores e consumidores de cigarro são cada vez maiores.

Um comentário:

mila disse...

Menino, nem de bacalhau eu gosto, mas acabei com água na boca tb, após essa descrição! E o pior: senti um cheiro ótimo vindo do bacalhau (ao contrário da realidade, né?).
Oxe, posso fazer nada, a imaginação é minha, ela me faz sentir o cheiro q eu quiser! eheheheheheheh...
Mas, qto ao cigarro, se já é ruim ao ar livre, em ambientes fechados, então, nem comento! Na hora do almoço, vixe! Que raiva!
Beijo enorme!