quarta-feira, maio 30, 2007

Rally por Angola - Início

Sérgio chegou 15 dias ante de mim a Angola. Uma semana depois da sua chegada ele foi convidado a um rally que serviu como uma ótima forma de integração. Desde o dia que nos conhecemos que ele fala, com empolgação, como foi a sua aventura. As fotos são incríveis e eu fiquei morrendo de vontade que acontecesse novamente.

Semana passada, com um feriado chegando na sexta-feira 25/05, dia da África, foi combinado um novo passeio. Dessa vez o acampamento seria na ilha do Mussulo. Bom, a ilha que na verdade é uma península, tem uma passagem pela qual é possível se chegar num bom 4X4. A idéia era procurar um ponto na ponta da “ilha” e montar as barracas. Seriam 5 carros com 4 pessoas por carro e um aparato grande. Dentre as tranqueiras estão: 2 churasqueiras, 6 barracas, colchões de ar, gerador, luminárias, muita comida e um bocado de bebida.

Acordei 6:40 h sonolento, mas sem a ajuda do despertador, isso é um bom sinal. Juro que pensei em desistir, dois dias inteiros na praia, sem banho, fiquei pensando como seria. A minha consciência só ficava pensando que se fosse minha irmã, ela não perderia esse passeio por nada desse mundo. Criei coragem, levantei da cama e comecei a aprontar uma pequena mala. A barriga roncou e fui à cozinha, Sérgio já estava por lá preparando um sanduba, encarei um corn flakes. Na mala duas camisas, uma bermuda, duas cuecas, escova de dentes e produtos de uso pessoal, máquina fotográfica e MP3. Alguns remédios são necessários, principalmente uma para o nariz, que vive entupido, nada como o bom e velho Sorine. Sérgio, que descei na frente, já me ligava perguntando se eu havia desistido, a essa altura eu já estava na porta.

As descobertas começaram na hora em que coloquei o meu pé lá em baixo. No carro, um Nissan cabine dupla, três estranhos. Henrique, o motorista, um cara bem legal, um pouco mais velho, na faixa dos 45. Fred, um novato em Angola, chegado a10 dias, ainda estava cara de assustado. Por fim Samia, médica, uma figura. Pedi para ir na frente, sem problemas, combinei de voltar atrás com Fred. Equipe montada, vamos ao que interessa.

Os papos começam naquele clima de “conversa de elevador”, sabe como é, um gelo. Fred por sinal poderia nesse momento de cubo de gelo, não deu um piu. Samia fala pelos cotovelos e eu vou na onda. Henrique dá umas risadas e como já está a mais de 3 anos em Angola, comenta sobre a sua experiência. Depois dele o que tem mais tempo sou eu, quase 8 meses agora. Samia está aqui a pouco mais de 2 meses e está ansiosa para primeira volta ao Brasil.

A aventura está só começando.

Um comentário:

Valéria disse...

Spli...
Vamos brincar de atualizar blogs???
heheheheh
Beijão pra tu.